Sugestões de Projetos e atividades para Educação Infantil.

Textos e artigos relacionados à Educação.

Trabalhos em artesanato como: Tricô pintura em tecido e tela.


...

...

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Deputados se curvam diante de discrimição do governo Pavan

Trabalhadores em Educação foram na manhã da última 4ª feira à Assembleia Legislativa para acompanhar a votação, pela Comissão de Finanças, da emenda que altera o critério de cálculo das gratificações. Havia grande possibilidade em razão da mobilização do magistério, da gratificação - restrita aos funcionários da SED e das GEREDs - ser estendida a todos os servidores da Educação. No entanto, o Governo Pavan (PSDB/PMDB) condicionou as Medidas Provisórias à retirada de emendas. Os deputados da Comissão de Finanças se curvaram à exigência do Governo e, sem questionar, acataram a discriminação imposta pelo Centro Administrativo. Na comissão, o porta-voz do governo foi o dep. Elizeu Mattos.
A discussão não se encerra perante a retirada da emenda pelo Governo Pavan. O SINTE/SC quer saber se o legislativo estadual vai manter a desigualdade salarial dentro da categoria. A conveniência dos deputados com o descaso do Governo com os trabalhadores em Educação que estão dentro das salas de aula é rechaçada por toda a categoria. Queremos isonomia e direitos iguais para todos os servidores públicos estaduais.
Os deputados deveriam exigir explicações do Governo Pavan para a desigualdade no tratamento do funcionalismo público: não é admissível um governo que trata os servidores com desigualdade e com a clara intenção eleitoreira de dividir a categoria. Precisamos reagir a esse abuso.
Nesse mês de maio, o SINTE/SC vai intensificar a luta na busca de suas reivindicações salariais; somos contra gratificações, defendemos aumento salarial na carreira; mas se é para o governo aproveitar o ano eleitoral para beneficiar seus apadrinhados, exigimos igualdade, com a aplicação do INPC dos últimos 12 meses, de 4,67%.
Vamos às ruas buscar nossos direitos; pressionar deputados para que se posicionem a favor do magistério e se engajem na luta por melhorias salariais, melhores condições de trabalho, valorização do trabalhador em Educação e na defesa da escola pública, gratuita, de qualidade e democrática. Os deputados devem exigir explicações do Governo Pavan para a desigualdade no tratamento do funcionalismo público: é inaceitável um governo que trata os servidores com desigualdade e com a clara intenção eleitoreira de dividir a categoria. Vamos reagir a esse abuso e denunciar à população o descaso do governo com a educação de nossos jovens, ao tratamento com o trabalhador e ao desperdício do dinheiro público. Escolas que foram reformadas no final do ano passado já estão com estrutura comprometida, rachaduras nas paredes, banheiros em péssimas condições de uso, vidros quebrados, fios elétricos desencapados. Os alunos reclamam e reivindicam acesso à internet para realizarem pesquisas.
Essas questões o SINTE/SC quer discutir com o governo em audiência prometida para a partir do dia 11 de maio. Estamos aguardando apenas o governo definir a data.
Sabemos que a falta de compromisso do Governo não se limita à Educação; ele também abandonou a Saúde, a Segurança Pública, entre outros serviços importantes para a população. Por isso, o SINTE/SC defende uma luta conjunta para reverter esse quadro de caos em que vive o estado de Santa Catarina. Na tarde desse 5 de maio o magistério prestou solidariedade aos servidores da Saúde e participou de ato unificado na frente do Centro Administrativo.(SINTE/SC)http://www.cnte.org.br

domingo, 9 de maio de 2010

Existem cinco estágios em uma carreira

O primeiro estágio é aquele em que um funcionário precisa usar crachá, porque quase ninguém na escola sabe o nome dele.
No segundo estágio, o funcionário começa a ficar conhecido dentro da escola e seu sobrenome passa a ser o nome do departamento em que trabalha. Por exemplo, Maria do departamento pedagógico.
No terceiro estágio, o funcionário passa a ser conhecido fora da empresa e o nome da empresa se transforma em sobrenome. Por exemplo, Maria da escola tal...
No quarto estágio, é acrescentado um título hierárquico ao nome dele: Maria, diretora do departamento pedagógico.
Finalmente, no quinto estágio, vem a distinção definitiva. Pessoas que mal conhecem a Maria passam a se referir a ela como ‘a minha amiga Maria, diretora do departamento pedagógico’. Esse é o momento em que uma pessoa se torna, mesmo contra sua vontade, em ‘amigo profissional’.
Existem algumas diferenças entre um amigo que é amigo e um amigo profissional. Amigos que são amigos trocam sentimentos. Amigos profissionais trocam cartões de visita.
Uma amizade verdadeira dura para sempre, uma amizade profissional é uma relação de curto prazo e dura apenas enquanto um estiver sendo útil ao outro.
Amigos de verdade perguntam se podem ajudar, amigos profissionais solicitam favores.
Amigos de verdade estão no coração, amigos profissionais estão em uma planilha, um projeto ou um planejamento apenas.
É bom ter uma penca de amigos profissionais, é isso que hoje chamamos de networking, um círculo de relacionamentos puramente profissional.
Mas não é bom confundir uma coisa com a outra, é muito melhor ter amigos verdadeiros, amizades duradouras.
Amigos profissionais são necessários, amigos de verdade são indispensáveis.
Algum dia, e esse dia chega rápido, os únicos amigos com quem poderemos contar serão aqueles poucos que fizemos quando amizade era coisa de quando ainda éramos profissionais amadores.

(Max Gehringer)

sábado, 8 de maio de 2010

Amor Materno! Para todas as mães com carinho!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deus te fez pra mim
e este amor sem fim
no meu coração
É tão grande este amor
a mais linda flor
florzinha em botão.
É um amor sublime e terno é o
Amor materno, paciência,
Proteção, dedicação.
Com muita alegria , e carinho
Todo dia, com amor, fé,
Esperança e oração.
Mamãe eu quero lhe falar
que no seu olhar
eu sinto proteção.
É tão grande este amor
a mais linda flor
mamãe do coração.
É um amor sublime e terno
É o amor materno paciência
Proteção, dedicação, com
Muita alegria, e carinho todo dia
Com amor, fé , esperança, e oração.

Feliz dia das mães a todas.Composição: Vera Lúcia

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Mobilização do dia 28 de abril provoca reação do Governo Catarinense

A assembléia estadual do magistério reuniu cerca de dois mil trabalhadores em Educação na manhã de 28 de abril, em Florianópolis. Foram deliberadas as seguintes reivindicações da categoria: negociação salarial já; abono imediato das faltas da greve das assembléias e mobilizações desde 2006; aplicação da lei do piso nacional do magistério; valorização da carreira dos trabalhadores em Educação; suspensão do processo de municipalização do ensino fundamental; revogação do contrato de terceirização da merenda escolar e manutenção do emprego de serventes e merendeiras; fim do autoritarismo nas escolas, que persegue e pune professores; eleição direta para diretor de escolas; implantação da lei 10. 639/03 na rede estadual de ensino; assegurar atendimento integral à saúde dos profissionais de Educação; defesa pela educação pública e de qualidade para todas as crianças e adolescentes de Santa Catarina.
A categoria deliberou ainda pela realização de uma assembléia estadual no mês de maio, de um encontro estadual de serventes e merendeiras e do encontro dos ACTs.
Logo no início da assembléia, a direção estadual do SINTE/SC informou sobre o retorno do governo do estado quanto ao ofício entregue na terça-feira (27 de abril) no Centro Administrativo do Governo do Estado solicitando uma audiência com a Secretaria da Educação para a abertura de negociação sobre a pauta de reivindicações da categoria. O secretário de Articulação do Governo informou que após o dia 11 de maio informará ao Sindicato sobre uma data para a audiência.
A notícia deu um novo ânimo à categoria que, há dois anos, não é recebida pelo Governo e, sequer, o Governo manifestava retorno aos ofícios protocolados. É certo que não podemos cantar vitória antecipadamente, mas um sinal foi emitido pelo Centro Administrativo fazendo com que a categoria vislumbre alguma esperança de ter suas reivindicações encaminhadas. Isso, lógico, vai depender da mobilização dos (as) trabalhadores (as) em Educação. Estamos avançando em nossa luta; conseguimos abrir uma fresta para o diálogo em torno de nossa pauta; realizamos uma assembléia bastante representativa; vamos avançar e exigir nossos direitos.
Após a assembléia, o SINTE/SC ocupou a ALESC para acompanhar as discussões em plenário que apontavam para uma extensão das gratificações - com as medida provisórias do Governo - para o magistério. Até o fechamento dessa coluna, não havia efetivamente nada deliberado pelos deputados.
Ontem, também, o SINTE/SC marcou presença na Primeira Marcha dos Catarinenses, organizada pela CUT, com o apoio de outras categorias do serviço público, movimentos sociais e sindicais: foi uma grande mobilização de rua que reivindicou maiores investimentos de recursos nas áreas da Educação, Saúde, Segurança Pública, Moradia, Geração de Empregos e Rendas. Houve uma manifestação na frente da SED, onde o SINTE/SC exigiu do Governo do Estado maior valorização do (a) trabalhador (a) em Educação.
http://www.cnte.org.br